Colorado: Novo relatório analisa efeitos e tendências sobre a Canábis na saúde

Colorado: Novo relatório analisa efeitos e tendências sobre a Canábis na saúde

Partilha e ajuda a informação a chegar mais longe !
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Novo relatório de tendências da e efeitos da Canábis na saúde, feito pelo governo local para acompanhar os efeitos da legalização, dá sinais de que a política e educação parecem estar a funcionar. Conclusões sobre efeitos da Canábis na saúde vão de encontro ao profundo e promenorizado estudo feito pelas Associações Nacionais de Ciências, Engenharias e Medicina.

Colorado: Novo relatório analisa efeitos e tendências sobre a Canábis na saúde

Colorado: Novo relatório analisa efeitos e tendências sobre a Canábis na saúde

Monitorar possíveis resultados de saúde pública foi uma prioridade para os funcionários de saúde do estado depois do Colorado implementar a lei da Canábis recreativa em 2014.

Três anos após a venda regulamentada de canábis recreativa, o Comitê Consultivo de Saúde Pública do Comércio de Marijuana diz que as chamadas para a brigada anti-venenos e as visitas às salas de emergência relacionadas à Canábis estão baixos, embora o consumo geral permaneça estável – sinais de que os esforços de política e educação podem estar a funcionar.

“Eu acho que isto é devido a um efeito de aprendizagem”, disse Mike Van Dyke, chefe da divisão de Epidemiologia Ambiental, Saúde Ocupacional e Toxicologia do Colorado, referindo-se ao declínio nas visitas a urgências e chamadas de centro de veneno. “O público está realmente aprendendo a mensagem, se não de nós, de sua própria experiência.”

Van Dyke é presidente do comitê de 14 membros, que na última terça-feira de janeiro divulgou seu segundo lote de dados sobre os efeitos da Canábis no mercado de saúde pública na Colômbia. O primeiro relatório, divulgado em janeiro de 2015 por um painel de médicos, cientistas e autoridades de saúde pública, continha o que os funcionários do Estado descreveram como “dados de linha de base”.

“Estamos fazendo o nosso melhor para estudar isto de perto e monitorar o que está a acontecer”, disse Van Dyke, “Embora talvez não seja aparente a partir deste relatório, estamos levando essa base de evidências que estamos a aperfeiçoar, e estamos a utilizá-la para desenvolver campanhas de prevenção, campanhas de educação. Estamos a fazer o nosso melhor para implementar uma política baseada em evidências “.

O relatório abrangente aprofunda dados estatais e federais cobrindo tópicos como taxas de uso entre diferentes populações, visitas a hospitais, condução sob o efeito da substância e efeitos sobre a saúde.

Estes resultados, disse ainda Van Dyke são encorajadores, são descobertas que o uso de Canábis entre os estudantes do ensino médio não viu aumentos estatísticos. Cerca de 21 por cento dos estudantes do Colorado High School tinha usado Canábis em 2015, em comparação com 20 por cento em 2013 e cerca de 17 por cento a nível nacional.

Os dados também dão orientação quanto a áreas a serem monitoradas de perto. Além das taxas de uso, as preocupações das autoridades de saúde incluem o uso de Canábis durante a gravidez e as consequências negativas da Canábis em domicílios com crianças.

Um panorama rápido destes resultados revela:

  • O uso de Canábis entre os adultos do Colorado no mês passado não mudou de 2014 a 2015. No entanto, a percentagem de habitantes do Colorado que disseram usar cannabis – 13 por cento e 17 por cento de acordo com dois inquéritos federais separados – é maior do que a média nacional de 8 por cento.
  • A grande maioria dos usuários de Canábis no último mês – 79% – preferiu fumar sua Canábis. A percentagem de indivíduos que consumiram e consumiram alimentos comestíveis foi de 30% e 33%, respetivamente. (Os entrevistados também poderiam escolher mais de um método.)
  • O consumo de Canábis no mês passado em 2015 foi maior entre o sexo masculino do Colorado, com 26%. Entre 18 e 25 anos, com 17%, e aqueles que identificaram-se como gay, lésbica, bissexual ou outra orientação sexual, 37 por cento. O uso de Canábis também foi maior entre os adolescentes gays, lésbicas ou bissexuais em oposição àqueles que se identificaram como heterossexuais.
  • O consumo de Canábis entre os adolescentes no último mês foi relativamente inalterado e em linha com a média nacional.
  • A Canábis não é uma droga de escolha para adultos do Colorado: Cerca de 6% dos entrevistados disseram que usavam maconha diariamente ou quase diariamente. Isso se compara a 16% para uso diário ou quase diário do tabaco e 22% para uso diário ou quase diário de álcool.
  • Chamadas de centro de veneno sobre a exposição à Canábis estão em declínio desde 2015 e as visitas de emergência relacionadas à Canábis caíram entre 2014 e 2015, de acordo com o relatório. Os dados hospitalares de 2016 ainda não estavam disponíveis.
  • 6% das mulheres no Colorado usaram Canábis durante a gravidez – 2 pontos percentuais acima da média nacional.
  • 7,9 por cento dos adultos com crianças com idades entre 1 e 14 anos mantiveram Canábis dentro ou em torno da casa, de acordo com o relatório. Em 18% dessas casas – cerca de 14 mil casas – a Canábis era potencialmente armazenada de forma não segura.
  • De 2014 a 2015, as crianças entre 1 e 14 em cerca de 16.000 casas tiveram expostas ao fumo de Canábis de forma passiva.

 

Conclusões semelhantes às do estudo exaustivo conduzido pelas Associações Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina

O painel também analisou a literatura científica existente sobre os efeitos potenciais da Canábis na saúde. O comitê chegou a várias conclusões semelhantes às feitas pelas Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina, que no início deste mês lançaram seu estudo mais abrangente em décadas sobre a Canábis.

Entre os achados do RMPHAC:

  • Evidências substanciais e moderadas de que adolescentes e jovens adultos que usam Canábis têm maior probabilidade de apresentarem problemas de memória e função cognitiva e correm maior risco de desenvolver sintomas psicóticos e dependência de maconha quando adultos.
  • Forte evidência de que o fumo de Canábis contém muitos dos mesmos produtos químicos cancerígenos encontrados no fumo do tabaco. A pesquisa é conflituante quanto a se os fumantes mais pesados ​​de Canábis podem desenvolver cancro de pulmão.
  • Nível moderado de evidência científica de que o consumo de Canábis aumenta o risco de algumas formas de acidente vascular cerebral em indivíduos com menos de 55 anos.
  • Evidência credível de interações medicamentosas clinicamente importantes entre a Canábis e medicamentos como alguns medicamentos anticonvulsivos e um comum diluente de sangue.
  • Risco de um acidente de viação aumenta entre motoristas com uso recente de Canábis. Quanto maior o nível de THC no sangue, maior o risco de acidente do veículo.
  • Forte evidência mostra que usuários de Canábis diária ou quase diária provavelmente terão memória prejudicada por uma semana ou mais depois de parar.

Fonte: Thecannabist.co

Tags:, ,

There are no comments yet

Why not be the first

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *